Select Page

Os pesquisadores do grupo Indisciplinar, Natacha e Alemar Rena apresentam em conjunto com Lucas Bambozzi o livro Tecnopolíticas do Comum: arte, urbanismo e democracia como resultado do Cidade Eletronika 2015, reunindo os principais debates realizados no evento.

cidade tecnopol

“A publicação surge num cenário em que parece ser urgente uma maior compreensão das relações entre as micropolíticas do cotidiano, as artes e as tecnologias e a construção política das metrópoles a partir de uma transversalidade que inclua experiências sensíveis, antes pouco permeáveis pela política, e hoje talvez mais conectadas com o desejo de constituição do bem comum.

A cidade é, possivelmente, o último reduto do projeto moderno. Estruturas massivas, onde as relações sociais são reorganizadas em função de ritmos de produção e trocas dos quais aqueles que nelas habitam dificilmente conseguem escapar. Mas talvez precisamente por isso são também lugares de resistência, onde é possível (ou simplesmente urgente) desenvolver novas estratégias e tecnologias de construção do espaço (físico, afetivo e social) e constituição da vida.

Frente a isso, Cidade Eletronika: Tecnopolíticas do Comum se apresenta ao mesmo tempo como uma coleção de propostas de intervenções tecnológicas, políticas e artísticas no contexto urbano, e uma aposta na noção de que essas intervenções sejam, de fato, cada vez mais urgentes e possíveis.” Pablo Lafuente — Professor visitante da Universidade Federal do Sul da Bahia e co-curador da 31a Bienal de São Paulo.

 

Em 2015 o Cidade Eletronika teve sua programação compartilhada com o Fórum Eletronika, Festa das Luzes e o próprio Eletronika, e aconteceu entre 08 e 12 de outubro na Praça da Liberdade e seu entorno. O projeto ocorre desde 1999 em Belo Horizonte, associado ao Eletronika, Festival de Novas Tendências Musicais.

A publicação pode ser baixada gratuitamente aqui.

 


SOBRE O CIDADE ELETRONIKA 2015:
TECNOPOLÍTICAS DO COMUM: ARTES, URBANISMO E DEMOCRACIA

O Cidade Eletronika 2015, que é um projeto da Malab Produções , é um evento que faz parte do Festival Eletronika e acontece a partir de premissas do conceito de Artes e Tecnopolíticas do Comum.
A programação, inteiramente gratuita, tem ênfase em uma rede ibero-americana e está estruturada em três blocos de atividades: Seminários, debates, encontros; oficinas de ação, criação e participação; performances e apresentações.
Curadoria: Lucas Bambozzi e Natacha Rena
(veja texto curatorial aqui: http://www.eletronika.com.br/#!curadoria/c1gw2)

SEMINÁRIO INTERNACIONAL
Local: Memorial Minas Gerais Vale – Auditório
______________________________

Primeiro dia: QUI. 8/10 – 19h
INTRODUÇÃO AO SEMINÁRIO com Lucas Bambozzi e Natacha Rena (curadores do Cidade Eletronika)
+
TECNOPOLÍTICA E MUNICIPALISMO
Palestra com Javier Toret IN3 / 15M / Barcelona en Comú, via Streaming.
+
POR UMA TECNOPOLÍTICA DO COTIDIANO
Com Antonio Lafuente (Laboratorio del Procomún de MediaLab-Prado Madrid) e Ivana Bentes (UFRJ-Minc). Mediação de Ricardo Fabrino (Democracia Digital – UFMG).

Segundo dia: SEX. 9/10 – 15h
TECNOLOGIA REVERSA: APROPRIAÇÕES PARA O COMUM
José Peréz de Lama (FabLab Universidad de Sevilla-Espanha), Ricardo Brazileiro (LabCEUs-PE), Felipe Fonseca (SP Ubalab), Pablo de Soto (Mapping the Commons/UFRJ). Mediação de Lucas Bambozzi (Labmovel/FAU-USP/FAAP)

Terceiro dia: SAB. 10/10 – 15h
O QUE NOS DIZEM AS REDES
Com Fabio Malini (Labic – UFES), Fernanda Bruno (Medialab – UFRJ), Carlos d’ Andrea (CCNM – UFMG), Alemar Rena (UFSB- Porto Seguro). Mediação de Natacha Rena (Indisciplinar – UFMG).

 

WORKSHOPS
_____________________________

MEDIÇÕES DO URBANO
QUA a SEX. 7/10 a 9/10 – 10h
(Local: Passarela Cultural – Anexo da Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa)
Técnicas DIY para aferição da qualidade da água de lagoas, barragens e rios de BH; desenho de veículos alternativos e drones de código aberto. Com Ricardo Brazileiro, Guima San, Gabriel Zea e Lucas Bambozzi.

TOPOLOGIA DE REDES
QUA a SEX. 7/10 a 9/10 – 10h
(Local: Memorial Minas Gerais Vale – Cyber)
Rastrear Hashtags de termos urbanos envolvendo a produção cultural na cidade e a relação desta com os movimentos sociais, utilizando a fanpage Cartografias da Cultura (já existente) através da qual serão extraídas informações que irão gerar várias topologias de rede (big data) que apresentem conexões entre as ações culturais e os movimentos políticos. Com Fabio Malini (Labic_UFES – ES) e Ana Isabel de Sá (UFMG).
LABORATÓRIOS CIDADÃOS
SEX. 9/10 – 13h
(Local: Memorial Minas Gerais Vale – Sala do Espetáculo Mineiro)
Um laboratório é um espaço de trabalho orientado à produção de protótipos, onde não existem objetos a se representar, mas sim experimentos em construção e, em consequência, mais que dotar a sociedade com novos objetos para serem mostrados, usados ou vendidos, o que se faz é ensaiar novas formas de viver juntos mediadas pela tecnologia, respeitosas com a experiência, resistentes ao pacto e propenso à inovação. Antonio Lafuente (Laboratorio del Procomún de MediaLab-Prado Madrid).

 

AUDIOVISUAL
_________________________

SOCKET SCREEN
SEX. 9/10 – 19h
(Local: Fachada do Espaço do Conhecimento UFMG)
Com Rafael Marchetti E Rachel Rosalen
“SocketScreen é uma plataforma onde o público interage diretamente na criação audiovisual através da aplicação web para celulares smartphones. O público, que acessa a aplicação web, é convidado a escrever palavras-chave. Estas palavras-chave são utilizadas pela plataforma para buscar na internet, em tempo real, imagens relativas às palavras. Através do touchscreen, o público pode interagir com suas próprias imagens utilizando o recurso do touch-screen do smarthphone, tornando-se assim, parte de uma intervenção audiovisual coletiva.”

CINE FANTASMA
SAB. 10/10 – 20h
(Local: Fachada do Cine Pathé)
Com Paola Barreto
Cine Fantasma é uma série de performances e videointervenções que cria situações de projeção de imagens em locais degradados, ameaçados de extinção ou relegados ao esquecimento. O material utilizado nas projeções costuma ser levantado colaborativamente por meio de chamada em redes sociais, mecanismos de busca on line e off line, entrevistas, conversas ou conjuração. Produzindo colagens audiovisuais que buscam materializar a memória coletiva e afetiva do espaço em questão, o Cine Fantasma explora a relação entre as estruturas materiais e simbólicas que se entrelaçam na arquitetura das cidades.

 
SHOW
___________________________

THE INNERNETTES (BH)
QUI. 8/10 – 19h
(Local: Memorial Minas Gerais Vale – Casa da Ópera)
THE INNERNETTES é um projeto audiovisual integrado por Vinicius Cabral e Christian Bravo. Trata-se de um trabalho de apropriação de samplers do repertório da publicidade dos anos 80 e 90, tendo em vista a criação de músicas e vídeos originais, a partir da estética “vaporwave”.

REALLEJO (BH)
QUI. 8/10 – 20h
(Local: Memorial Minas Gerais Vale – Casa da Ópera)
Reallejo é o projeto solo do músico André Geraldo que entre instrumentos acústicos, eletrônicos, imagens e parafernálias em geral, se desdobrando entre trilha sonora, música eletrônica e canção. André Geraldo é músico multi-instrumentista, sound designer e produtor musical. Integra o duo audiovisual Garoa e a banda Pássaro Homem.

ACAVERNUS (SP)
SEX. 9/10 – 19h
(Local: Praça da Liberdade – Coreto)
Acavernus é um projeto intuitivo de música experimental, permanentemente se descobrindo, que também gosta de explorar o vídeo e a poesia; atingir o sentimento e romper-se através dele, transitando entre as mais densas e sutis esferas. Em outras palavras, drones extensos e uma música ambiente mais sinistra e soturna comumente rotulada no exterior como “dark ambient”.

LUCA FORCUCCI (ITA)
SEX. 9/10 – 20h
(Local: Praça da Liberdade – Coreto)
Como compositor, artista, escritor e pesquisador, Luca Forcucci observa as propriedades/relações dinâmicas e perceptivas do som e do espaço. O campo de possibilidades é explorado na música e na arte como experiência. Interessado na percepção e consciência, Forcucci conduz sua pesquisa no GRM (Groupe de Recherches Musicales) em Paris e no Instituto Brain Mind na Suíça. Seus trabalhos já foram apresentados em diversos lugares do mundo (Bienal de São Paulo, Akademie der Künste Berlin, The Lab Gallery San Francisco, MAXXI: Museu do século XXI Artes Roma, Rockbund Museu de Xangai, Haus der Elektronischen Künste Basileia, Présences Electroniques Festival de Genebra) e estão nas coleções da Biblioteca Nacional Da Suiça e Swatch. Suas composições são lançadas pela gravadora belga Subrosa.

ALAN COURTIS (ARG)
SEX. 9/10 – 21h
(Local: Praça da Liberdade – Coreto)
Alan Courtis é um dos músicos experimentais mais prolíficos da América do Sul. Co-fundador do lendário grupo Reynols (1993), tem participação em mais de 300 discos por diversos selos em todo o mundo, tanto com seu trabalho solo como com suas diversas formações.

PERFORMANCE
_______________________
KID-NAPPING
QUA a DOM. 7 a 11/10 – 18h
(Local: Passarela Cultural – Anexo da Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa)
Com Brígida Campbell
“Imaginary Kid_Napping” é uma obra inspirada nas luminárias giratórias infantis, instalada na passarela de passagem da Biblioteca Pública Estadual, conhecida por abrigar pessoas em situação de rua. Este trabalho pretende falar crítica e poeticamente sobre as transformações no universo onírico e a presença do sonho no espaço público. O título é um jogo de palavras que significa ao mesmo tempo “sequestro imaginário” e “criança imaginária dormindo” e pretende criar um ambiente propício para a criação de novos sonhos e novos imaginários na praça.

CINE PLANTA
SEX. 9/10 – 21h30
(Local: Praça da Liberdade)
Com Paola Barreto
CinePlanta é um projeto de Live Cinema que associa uma planta viva a uma interface de edição de imagens e sons em tempo real, criando um sistema híbrido. Formado por uma rede que integra circuitos elétricos, eletrônicos e digitais, este hiperorganismo consiste em um sistema de captação e projeção audiovisual que se retroalimenta com o sistema vivo do vegetal.

ED MARTE E FLORA MAURÍCIO
SAB. 10/10 – 17h
(Local: Praça Carlos Drummond de Andrade)
O artista visual Ed Marte trabalha as relações entre corpo, espaço e público, arte e vida. Flora Maurício é artista visual, performer, dançarina livre, poeta, atriz de teatro de sombras, desenhista de paint brush.