Select Page

Feminismos

Grupo de Estudos Introdução ao Pensamento Feminista – 2017.1

Atividade da Frente de Ação do Programa IndLab:  Feminismos

 

Equipe:

Coordenação da Frente de Ação Feminismos: Natália Alves (Mestranda NPGAU)

Coordenação do Projeto Cartografias Emergentes: Natacha Rena (Prof. EAD UFMG)

Coordenação do Projeto Artesanias do Comum: Marcela Brandão (Prof. EAD UFMG)

Estagiárias: Marilia Pimenta e Juliana Hermsdorf (Graduandas bolsistas de extensão do IndLab)

 

Local

Escola de Arquitetura e Design da UFMG

 

 

 

Proposta

 

O Grupo de Estudos “Introdução ao Pensamento Feminista” é uma das atividades da Frente de Ação “Feminismos”, que pertencente aos Projetos Extensionistas “Cartografias Emergentes” e  “Artesanias do Comum”, ambos vinculados ao Programa Extensionista “IndLab – laboratório nômade do comum” –  e ao Grupo de Pesquisa do Cnpq “Indisciplinar”.

 

O Grupo de Estudos “Introdução ao Pensamento Feminista” tem como proposta debater o feminismo enquanto teoria e prática política. Ao mesmo tempo interessa debater a imbricação entre opressão de gênero, racismo, classismo e heterossexualidade (como regime político), temas que atravessam fortemente a produção do espaço na contemporaneidade. Para isso estudaremos algumas feministas que têm influenciado o debate atual no campo e que temos discutido no cotidiano do grupo de pesquisa Indisciplinar.

 

Para garantir o desenvolvimento do grupo de estudos é imprescindível a leitura dos textos. Também temos como objetivo do grupo a elaboração coletiva de materiais didáticos que sintetizem a discussão, transformado a leitura e o debate em ações diversas e peças que serão disponibilizadas nas plataformas de comunicação do Indisciplinar servindo assim para a ampla divulgação da produção temática.

 

Esta é uma iniciativa do grupo  de pesquisa Indisciplinar, mas em especial ao trabalho de mestrado da pesquisadora Natália Alves (NPGAU), orientado pela Professora Natacha Rena e com diversas pesquisadoras parceiras (outras professoras, bolsistas, ativistas e militantes envolvidas com o debate feminista).

 

 

Calendário

 

24/03 – Apresentação da proposta e cronograma

 

7/04 – Curiel, Ochy (2010). “Hacia la construcción de un feminismo descolonizado”, capítulo do livro “Tejiendo de otro modo, feminismo, epistemología y apuestas descoloniales en Abya Yala”

 

28/04 – Federici (2016), O caliban e a bruxa. Tradução Coletivo Sycorax. Disponivel em: http://coletivosycorax.org/indice/

12/05 – Hooks, Bell (2015), “Mulheres negras: moldando a teoría feminista”, in: Revista Brasileira de Ciência Política, nº16. Brasília, janeiro – abril de 2015, pp. 193-210. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbcpol/n16/0103-3352-rbcpol-16-00193.pdf

26/05 – Fraser, Nancy (2009), “O feminismo, o capitalismo e a astucia da história”, in Revista Mediações. Dossiê: Contribuições do pensamento feminista para as Ciencias Sociais. Traduzido por Ancelmo da Costa Filho e Sávio Cavalcante. Londrina, v.14, n.2 p. 11-33, Jul/Dez.

 

2/06 – CARNEIRO, Sueli (2003). “Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na américa latina a partir de uma perspectiva de gênero”. Disponível em: http://www.unifem.org.br/sites/700/710/00000690.pdf

 

 

Leituras complementares:

 

Bento, Maria Aparecida Silva. Branqueamento e branquitude no Brasil

 

Davis, Angela (2016), Mulheres, raça e classe. Tradução de: Heci Regina Candiani. 1º ed São Paulo: Boitempo.

Muxi, Zaida; Casanova, Roser; Cioletto, Adriana; Fonseca, Marta; Gutierrez, Blanca (2011). “Que aporta la perspectiva de género al urbanismo”, in Revista del Centro de Estudios sobre la mujer de la Universidade de Alicante. N. 17, junio de 2011

PATEMAN, Carole. (1988) O Contrato Sexual. São Paulo: Editora Paz e Terra.

 

No Title

No Description